Trabalho não tem nada a ver com tranquilidade. Humm… não mesmo?

Não é difícil perguntar para amigos como está o trabalho e receber como resposta “correria”. E eu já respondi assim muitas vezes. Quais as consequências no meu caso? Explico.

E lá vamos nós… seja persistente, não insistente!

Falei outro dia sobre ignição. Sobre ter uma palavra ou algo que faça você fazer o que tem que ser feito. E quando mesmo uma palavra, momento ou música não é suficiente? O que fazer?

Trabalhamos por uma causa?

Trabalhamos para gerar algo de valor, que se torna moeda de troca para que o queremos viver na nossa vida. Se conseguimos fazer isto ser algo compatível com os nossos interesses, e conseguimos construir objetivos que se unem a causas que temos interesse em lutar por, temos um belo diferencial competitivo.

Em que acreditamos?

Parece uma pergunta fácil, mas muitas das coisas em que acreditamos nem percebemos. Vale uma busca em entender o que temos de crenças, e principalmente ao começar uma busca pela nossa identidade, nossa essência. Vamos descobrir muitas crenças nesta busca. E como se desenvolve este processo?

Sonhe

Sonhar não custa nada. Será? Quanto custa uma hora sua em algo que não faz sentido? Agora, tenho certeza que se você estiver fazendo que gosta muito, podemos falar que esta hora “não tem preço”. Ao mesmo tempo que ficamos falando sobre sonhar, também vem a questão que precisamos de espaço para fazer o queContinue a ler “Sonhe”

Cinco TED Talks para assistir – Janeiro/2015

Normalmente assisto palestras do TED para motivar, instigar. Muitas talks são questionadoras, outras mostram histórias e exemplos de situações vivenciadas, que podem não ser verdade nem funcionar para o nosso contexto. De qualquer modo são experiências e devem servir como formas de pensar, que podem ser unidas com nossa forma de funcionar. Para fechar janeiro/2015 penseiContinue a ler “Cinco TED Talks para assistir – Janeiro/2015”

Criatividade, processos de aprendizado e minha mudança ao palestrar

Tenho mudado minha estratégia de palestrar. Uso cada vez menos slides. Em algumas ocasiões, monto um mapa mental para me guiar naquele contexto que vou falar a respeito. Ao invés de buscar falar, e falar, e falar, quero outra estratégia. Quero discussões, quero conhecer e compartilhar histórias sobre o assunto em questão com a platéia.Continue a ler “Criatividade, processos de aprendizado e minha mudança ao palestrar”

Mudança cultural? Lean para alcançar a agilidade no longo prazo!

Eu curto muito falar sobre Lean, um sistema para eliminação sistemática de desperdícios através da melhoria contínua, sempre na perspectiva do cliente. Em parte é um processo para criação de uma cultura de aprendizado. Cultura de prevenção. E cultura de melhoria contínua. Fiz uma apresentação, falando um pouco sobre a importância de se pensar naContinue a ler “Mudança cultural? Lean para alcançar a agilidade no longo prazo!”