Why you need a journal

You can’t define what’s going to happen with your life. But you can always define how you will handle a new situation in your life.

Knowing that, every day I stop and think about things I can celebrate and things I need to think/care about. Things I want to get better tomorrow. You can have different questions for a day, but I insist using the same set of questions for a while, so you can get deeper into your thoughts.

Continue a ler “Why you need a journal”

Eu e meus botões, ou mentores. :)

Você pode não saber, mas eu sou um mentor. Ajudo pessoas em assuntos que elas querem se desenvolver, ensinando o que eu já fiz e pratiquei. Ensino meus aprendizados, sucessos e falhas. Principalmente as falhas. Ajudo pessoas em um conjunto de habilidades que tenho, que me considero experiente. E quando não consigo ajudar, indico quem possa ajudar.

E aí pessoas já me perguntaram como eu gosto de aprender. O ponto é que eu aprendo muito no processo 1:1 e através de conteúdos que me ajudam em reflexões. Tenho o hábito de escrever em cima de conteúdos que eu consumo. Alguns destes textos vão para o mundo via blog, outros para newsletters e outros ficam ali esperando sua vez chegar. Sem pressa.

Continue a ler “Eu e meus botões, ou mentores. :)”

Trocando o branch master para main no git

Eu aprendi em 2019 a criar uma branch no git. Sério. Não é clickbait:)
Em seguida explico como eu funciono.

Para quem não desenvolve software, é comum você criar estruturas auxiliares para poder modificar um pedaço do sistema e depois quando entendo que está tudo ok, você integra na linha principal. Pensa em manter uma cópia de um documento e depois a ferramenta ajuda em juntar as diferentes partes.

Eu sempre fui adepto do trunk based development, onde não existem estruturas auxiliares. Você sempre atualiza a raiz do código fonte, e é sua responsabilidade garantir que seu código vai dormir até que alguém diga que ele pode ser liberado para alguém que usa o sistema. Você faz pequenos avanços e cria controles para garantir o funcionamento, como configurações e testes automatizados. E aqui fica visível a diferença entre deploy e release.

Continue a ler “Trocando o branch master para main no git”

É uma cilada, Bino!

Em redes sociais é comum a gente engajar em posts que não deveria ter entrado. Eu escolho alguns posts onde vejo pessoas compartilhando sua falta de experiência, mas indicando pra seus leitores que aquilo é o certo e prejudicando pessoas que não tem o hábito de pensar com seus próprios modelos.

Continue a ler “É uma cilada, Bino!”

Be yourself as hard as you can.

Document what you do. Find your passions. Every step you take, every move you make, document it. Thanks The Police. Anyways, don’t start asking for help and someone to save you, before you even tried anything. I was reading this great piece from Derek Sivers, about showing success before asking for help.

Continue a ler “Be yourself as hard as you can.”

Deixa fluir

Tudo que impede fluxo é ruim. Uma excelente forma de perceber isso é ter uma clareza visual de que o trabalho não está andando.

Se um item demora muito para ser concluído ou se muita coisa fica parada esperando respostas que não chegam nunca, temos problemas. Estes problemas indicam tarefas grandes demais, que podem ainda ser carregadas de incertezas. E talvez um processo de falta de autonomia ou falta de gestão de conhecimento. 

Todo fluxo organizado em um kanban pede limites, pede representação da realidade, pede visualização e pede políticas. E as políticas são na minha opinião a parte mais importante. As políticas emergem dos aprendizados. Os aprendizados acontecem com a prática do dia a dia, tentando fazer o trabalho acontecer. Todos problemas se resumem em saber: 

Continue a ler “Deixa fluir”