Qual a fronteira entre aprender e errar?

Sobrevivência? Nos seus mais diferentes estilos? Financeira, da vida, de amizades, das nossas inseguranças?

Tem gente que fala que perde amizade mas não perde uma piada. Duvido. É só mais uma piada. Você já sabia que poderia passar a fronteira sem ferir ou colocar em risco o que está do outro lado. Ou não é uma amizade real, e você está apenas utilizando a relação.

E será que existe essa fronteira entre o aprender e o errar?
Ou como testamos, se é que é algo para ser testado?

Eu vejo fronteiras como impeditivos de aumentar a minha zona de conforto. Eu vejo fronteiras como algum conhecimento que ainda não tenho opinião prática sobre. E vejo fronteiras como escolhas. E eu não preciso ultrapassar todas fronteiras.

Se eu estou em um lugar X, não tenho obrigação de viver um lugar Y. Não preciso consumir nada que não tenha interesse em consumir. Outra, não existe um único lugar de travessia para as fronteiras. Não existe um único meio de testar algo.

Por isso importante entender sobre Opções, Oportunidades, Hábitos e Habilidades. Se fosse química poderia ser água oxigenada, H2O2, mas aqui é simplesmente pensar em “quero passar dessa fronteira?” juntando estes quatro pontos. Eu tenho usado esta estrutura para refletir. Olha só:

  • Opções: dado que estou onde estou, quais opções tenho para seguir em frente? Não seguir em frente é uma opção. O silêncio é uma opção. Quais opções você tem?
  • Oportunidades: dado que eu vou tomar uma decisão, escolhendo uma opção, quais oportunidades se abrem a partir dessa decisão? Novos lugares para explorar? Ou problemas que se consegue evitar?
  • Hábitos: dado o que vou fazer, algum hábito que quero ter é iniciado ou aumentado? Ou algum hábito que quero deixar de ter é zerado ou diminuído?
  • Habilidades: no que vou fazer, quais habilidades vou poder desenvolver? Estas habilidades estão na lista de habilidades que quero dar atenção? Já pensou nos projetos que você vive quais habilidades você quer desenvolver?

Tenho usado esta estrutura pensando em causa e consequência. Nenhuma estrutura de pensamento é definitiva, não precisa ser pra sempre. E mesmo fazendo isso, só saberei se errei ou aprendi depois de fazer… então, a reflexão é mais importante que o final do processo.

É na reflexão que você se desenvolve e expande.

E na maioria dos erros que você cometer, vão existir caminhos para retomar e seguir a vida.

Priorize a sobrevivência.

— Daniel Wildt

Este conteúdo fez sentido para você? Você pode apoiar e acompanhar meu processo de criação de conteúdo mais de perto! Apoiando financeiramente você pode participa da comunidade e recebe antes as entregas que realizo no projeto “A filosofia da tranquilidade”. Acesse apoia.se/dwildt e entenda sobre valores e entregas!

Publicado por dwildt

Empreendedor / Desenvolvedor de Software / Mentor / Agilista / Escritor.

One thought on “Qual a fronteira entre aprender e errar?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: